“Há problema de interpretação variada” no desarmamento do partido Renamo

0
398

O antigo Presidente da República, Joaquim Chissano, diz que há problemas de percepção variada que criam recuos no processo de Desmobilização, Desarmamento e Integração (DDR) dos homens armados da Renamo.

“Aqui deparamo-nos com um problema de interpretação e que essa interpretação vai chegando tardiamente. Quando a gente pensa que tudo correu bem, depois aparece uma interpretação diferente daquilo que foi o entendimento das duas partes quando assinaram o acordo”, reagiu assim Joaquim Chissano às recentes declarações do Presidente da República, Filipe Nyusi, segundo as quais a Renamo estava a enviar oficias na reserva para a Polícia da República de Moçambique, no âmbito do processo de DDR em curso, envolvendo o Governo e a Renamo.

Chissano lembrou que um antigo Chefe-Adjunto do Estado-Maior General, vindo das fileiras da Renamo, tinha sido desmobilizado, tal como o Chefe de Estado-Maior General, nomeado pelo Governo, sendo que “não faz sentido” integrar estes oficiais na reserva.

Mesmo numa situação de impasse, o antigo Presidente da República e especialista em mediação de conflitos entende que o Governo e a Renamo vão encontrar uma saída, considerando que têm privilegiado o diálogo nas suas abordagens neste capítulo de DDR, que está também no pacote legislativo da descentralização em curso no país.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here