Até agora, a área acabou de colher 885 mil toneladas, representando 98% do objetivo estabelecido pelo governo da região para a temporada 2019-2020. Como existe uma tonelada de criação, o governo da região teme que parte da criação seja perdida devido à ausência de preservação e preparação do limite.

O destrito de Angónia, na cidade de Tete, é rica em itens diferentes, como ênfase em milho, feijão, soja e vegetais. No momento, os fabricantes estão focados em impulsionar os rendimentos para a temporada subseqüente. Não obstante, o governo da região está feliz com o ritmo da criação.

Temos 128.000 famílias entregadoras e elas têm se esforçado para garantir alimentos em nossa região. Somente com a criação do milho, colhemos quase 500 mil toneladas na estação principal. Até o momento, vendemos 540 mil toneladas de itens diferentes. Esperamos coletar 986 mil toneladas, mas, somente na estação primária, fabricamos 885 mil toneladas, o que implica que estamos bem no objetivo de alcançar o objetivo. Temos a vantagem de ter nove cursos d’água duradouros e em certos pontos existem barragens. Juntando todas as coisas, temos 23 barragens, algumas das quais são reconhecíveis e isso ajuda nossos fabricantes, disse Paulo Sebastião, presidente da localidade, e depois disse que a preocupação fundamental é com a preservação de itens estragados.

Busca-se em associações e em todos os níveis, para escapar dessa circunstância de forma consistente e perder muito tomate. Na hipótese de termos uma unidade de gestão, estaríamos dando à população motivações para criar mais e retribuiríamos o esforço realizado por esses fabricantes. Temos o rinoceronte babata, que também é uma preocupação, pois produzimos em grandes quantidades e acabamos estragando, já que não temos arranjos na área para garantir sua preservação por um bom tempo, lamentou o pioneiro.

Uma grande parte dos itens entregues é retida localmente por meio da organização Escolha do Povo, planta dedicada à preparação de milho para a criação de farinha de milho e soja para a montagem de óleo e bagaço comestíveis para a criação de ração animal.