O Museu das Ferrovias de Moçambique (CFM), um dos mais visitados do país, elogia nesta quinta-feira 5 anos de presença.

A organização Portos e Ferrovias de Moçambique, com um tremendo e aplicável trabalho na vida monetária, social, de vestuário e social do país, abriu o Museu CFM em 11 de junho de 2015.

Conforme indicado por uma declaração pública, o Museu CFM é um dos mais visitados do país, assim como a Estação Central, uma das mais encantadoras do planeta.

Desde a sua criação, o Museu CFM teve 124 mil visitantes, incluindo, nesse perfil, visitas individuais e institucionais: turistas, subestudos, delegados de chancelarias conciliatórias, visitas do Estado ou no trabalho, legisladores e parlamentares, fundações estatais, particulares organizações, lugares sagrados, entre outras afiliações sócio-sociais.

O Museu CFM tem uma apresentação perpétua, que compreende um curso seqüencial de eventos, desde as obras abertas em 1877, que é o berço de seu uso até o presente.

O Museu CFM cria programas (instrutivos) e cursos tópicos, visitas guiadas, ateliês ou oficinas, encontros corporativos e que estimulam a colaboração com objetos museológicos e a tradução da apresentação e seus objetivos, assim como estabelecer uma conexão poderosa entre pessoas em geral e legado.

Apesar de sua exibição perpétua, o Museu tem três shows impermanentes (As 10 estações mais excelentes do planeta; Samora Machel e os Portos e Ferrovias de Moçambique e

Todos os dias do período.) Além disso, promove uma apresentação vaga (o Museu vai para as escolas).

O Museu CFM pretendia introduzir o seu primeiro Núcleo Museológico na Cidade da Beira em comemoração aos 5 anos iniciais. Este site foi escolhido à luz de sua autêntica centralidade durante o tempo gasto criando e executando a estrutura de portos ferroviários em Moçambique. De qualquer forma, devido à pandemia do COVID-19, o surgimento desse empreendimento foi adiado até que as circunstâncias epidemiológicas do país se normalizassem.