O presidente de Moçambique, Filipe Nyusi, proclamou hoje a expansão da situação altamente sensível até 30 de maio, por causa da pandemia provocada pelo novo coronavírus, para ficar longe do peso concebível na estrutura de bem-estar do país.

Apesar de não haver controle obrigatório, o chefe de estado moçambicano solicitou que todos os residentes decidissem não sair, sem serem por razões fundamentais.

Em palavras diretas, afirmo: Vamos ficar em casa, disse o Presidente de Moçambique, em um anúncio ao país transmitido pela Televisão de Moçambique e pela Rádio de Moçambique.

Moçambique, que está em uma situação altamente sensível desde 1º de abril, possui uma soma de 76 casos alistados, sem mortes.

Tudo incluído, como indicado por um relatório do escritório de notícias da AFP, a pandemia de covid-19 acaba de reivindicar mais de 217.000 passagens e contaminou mais de 3,1 milhões de indivíduos em 193 nações e domínios.

Cerca de 860.000 pacientes foram vistos como restaurados.