As informações afirmadas nesta quinta-feira mostram que Nampula é a segunda região com o maior número de casos construtivos para o coronavírus (87) e a primeira com o número mais notável de especialistas em bem-estar contaminado, número 11, e há dois indivíduos hospitalizados no meio separação.

A partir de agora, temos dois pacientes internados que serão transferidos para o local do confinamento e, provavelmente, com a expansão da quantidade de casos, a quantidade de casos na clínica de emergência também poderá aumentar, declarou Armindo Tiago, ministro da Saúde.

O Ministro da Saúde observa com preocupação algumas práticas sociais que o levam a presumir que era previsível que Nampula registrasse uma ascensão selvagem em casos positivos do COVID-19.

Não foi surpreendente. O território de Nampula é o mais movimentado em Moçambique e descobrimos que, na região de Nampula, a separação social não está ocorrendo; a utilização do véu é imprevisível e, na maioria das vezes, não é de voz interior, mas é uma utilização para satisfazer os outros. No momento em que passarmos a usar a capa com a consciência de que usamos de maneira consistente e seguirmos a separação social, nesse momento teremos a opção de interromper a transmissão do COVID-19, advertiu.

Nampula tem um caso de coronavírus no local de Mogovolas, além da cidade, o equivalente é válido para Cabo Delgado, onde Palma e a cidade de Pemba têm casos positivos. Não obstante, Armindo Tiago alerta que ainda não estamos na fase de contaminação da rede.

As definições da OMS em relação à transmissão de rede estão relacionadas a pelo menos dois elementos cruciais: primeiro, a quantidade de casos de COVI-19 em algum momento aleatório deve aumentar de qualquer maneira 48 horas de forma dinâmica e não estamos vendo em Moçambique. A segunda é que deve haver inúmeras cadeias de transmissão obscuras. Esta segunda regra em Moçambique é agora vigiada. Por conseguinte, provavelmente, em breve escolheremos se Moçambique está ou não em condições de transmissão em rede, encerrou o Ministro da Saúde.

A partir de uma semana, Nampula começará a fazer testes sorológicos através de testes rápidos em especialistas em bem-estar, nos setores e organizações empresariais e a partir dos 50% deste mês atual, começará a realizar testes e determinação através do hardware conhecido como PCR .

O auge da pandemia da covid-19 em Moçambique poderia ser em meados de junho, como indicado pela projeção da Organização Mundial da Saúde