Angola

Mais de 730 pessoas suicidaram-se este ano em Angola

700 e 39 indivíduos suicidaram-se no primeiro semestre deste ano em Angola. O número é superior aos processos registados há um ano, 590, contra 651 em 2018. Os dados foram entregues, esta sexta-feira, em Luanda, pelo Serviço de Investigação Criminal (SIC).

Segundo a Angop, o território de Luanda lidera, com 826 suicídios, seguido pela Huíla, com 118, Moxico, com 117, Lunda Sul e Benguela, com 105 e 101, individualmente.

O chefe do Gabinete de Comunicação Institucional e Imprensa da SIC, director Manuel Halaiwa, que não determinou as marcas que impulsionaram a autodestruição ou as idades, afirmou, em todo o caso, que neste momento especialistas deste órgão estão atribuídos ao Ministério do Interior ( Minint) têm como objetivo adquirir informações exatas que reflitam as causas genuínas e as taxas por sexo e idade.

Estamos tentando fazer isso. Por vezes, os familiares pedem aos especialistas que não apurem as causas, enquanto noutras deixam algum sinal e de um modo geral recolhemos os corpos sem nenhum sinal que decidam o porquê, disse Halaiw, indicado pela Angop.

Desta forma, o clérigo da Igreja Católica, Samuel Jamba, destacou a exigência de que os indivíduos não participem do ato de autodestruição como forma de determinar as distinções ou dificuldades vivenciadas no dia a dia. Deus sempre encontra um método protegido para derrotar os problemas.

Ao discutir a questão da autodestruição em Angola, a analista criminal Suzana da Conceição Tumba chamou a atenção para a tristeza, problemas bipolares, caráter, relacionado ao uso indevido de bebidas alcoólicas, esquizofrenia e diversos medicamentos como os principais fatores de risco.

Incluiu, compõe Angop, que para cada autodestruição existem 10 empreendimentos em encontros de várias idades.

No que lhe diz respeito, o humanista Abel Chico afirma que o confronto militar em Angola esmagou genuinamente a nação, em todo o caso, o mais importante, influenciou o sentimento fundamental de confiança dos indivíduos e produziu lesões e agravos ainda não devidamente investigados.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *